domingo, 20 de janeiro de 2013

[Quadrinhos] Almanaque do Cascão 36: a riqueza da produção MSP


Antigamente, eu dizia que gostava de quadrinhos porque meu dia-a-dia fornecia-me pouca opção de entretenimento. Hoje em dia, a minha vida melhora a passos de formiga, mas é uma constante... e continuo cada vez mais lendo os meus gibis. E é muito bom quando encontramos aquela edição simples que é capaz de nos proporcionar risadas e muitos minutos de bom humor - como, por exemplo, o "ALMANAQUE DO CASCÃO 36"

Curiosamente, em uma turma de personagens, aquele que parece ter mais defeitos é o que mais se sobressai no gosto popular. Cascão é sujo, lambão e tem uma certa fobia de água. Mas, apesar disso, sua revista é uma das mais vendidas se compararmos com outras do gênero (até mesmo incluindo as demais turmas do gênero, de outras editoras). É como se, de algma forma, houvesse uma identificação maior do leitor para com o personagem. 

O "ALMANAQUE DO CASCÃO 36" só acrescenta ainda mais motivos para continuar seguindo o personagem. Reunindo cerca de treze histórias (se errei, deve ser porque esqueci de contar alguma curtinha), temos um apanhado bem nítido do que foi a produção do Mauricio de Sousa há cerca e uns 20 anos, aproximadamente. Vários tipos de roteiros (alguns mais elaborados, outros nem tanto) e de arte agregaram maior valor a essa edição segundo esse conceito meu, que é muito particular.



"CASCÃO, O IMPERMÉAVEL" abre a edição de forma aparentemente comum. É uma daquelas HQs  (já politicamente corretas) que mostra como as crianças podem ser influenciadas pelo que assistem na televisão. Isso me lembra a classificação indicativa de hoje em dia. Apesar desse detalhe, gostei dela. Os desenhos são bonitos e obedecem ao padrão contemporâneo que já estamos cansados de encontrar nas mensais. 



"CASCÃO E A LUNETA DA CONFUSÃO" é uma trama que se destacou dentre as demais. Ela é curta, simples, mas tem um bom roteiro. O que mais mexeu comigo foi a arte. Você vai entender logo mais, quando ver uma "palhinha". Sempre gostei muito desse estilo que infelizmente sumiu de vez. 



"A TURMA DO CASCÃO" é outra história com desenhos diferentes. Eles eram bastante comuns, pois vieram logo após a fase "superfofa". Foi uma nova padronização oitentista e que deve ter conseguido permancer também durante algum tempo dos anos 90, eu acho. 



"S.O.S TEVELUISÃO" complementa exatamente o que acabei de dizer sobre o estilo dos desenhos dos persnagens. Nessa HQ, vemos um personagem esquecido - o Teveluisão. Seu conteúdo informa bem o perfil do personagem que, como já é esperado, tem fascinação pela TV. Gozado que no tempo em que deve ter surgido essa publicação pela primeira vez, penso que os canais fechados não deviam ser algo assim tão popular. 



"CHEIRINHO DIFÍCIL" tem uma nunace desse mesmo traçado, o qual acabei de falar, com algo de diferente. Parece mais uma fusão de dois estilos que, misturados, acabaram dando certo. Lembro-me de ver várias historinhas assim frequentemente já na época da Editora Globo.



"O SORVETE", "AS COLEÇÕES DO CASCÃO" e "O PAQUERADOR DESASTRADO" possuem o mesmo tipo de desenho que é simplista demais. Tão simplista que sempre me deu raiva constatar que havia alguma história assim quando eu ganhava a revista. Na época, não me agradava por eles e achava um desperdício de páginas - principalmente porque Cascão continha apenas 36, então, imaginem só, deparar-se com uma edição onde cerca de dez páginas obedeciam a esse estilo. Eu era bem criança, mas já inha minha opinião própria a respeito. Atualmente, esse fato já não me incomoda mais. Não sei se o amadurecimento contribuiu naturalmente para uma compreensão melhor ou se acabei simpatizando-me por intermédio de alguma influência no mercado editorial. Para mim, está tudo um pouco mais tranquilo agora. 

[clique nas imagens para ampliar] 


 
 

"BUÁÁÁ..." traz consigo uma maneira de desenhar que é 95% próxima da que encontra-se na história do cheirinho difícil. Não digo que seja 100% igual porque, nesta, há uma leve curvatura nos membros dos personagens. Não sei explicar exatamente... a maneira como eles se postam dá uma sensação bem melhor de agilidade do que naquela obra do cheirinho. Pode até ser, de fato, a mesma arte - só que a inspiração estava um pouco melhor nesta produção.



Para finalizar, "ENTALADO" fecha com chave de diamantes a edição. O argumento não podia ser melhor, todo o desenvolvimento de trama foi muito feliz, mostrando com sucesso o perfil de cada personagem - e essa arte-final também é uma das que mais me fascina. Os personagens possuem uma flexibilidade bem intensa durante todo o corpo, o que possibilita uma movimentação e ângulos bem agradáveis de se ver, que são um diferencial quadro a quadro. Gosto muito dessas expressões e essa curvatura na linha do rosto, que vai do olho até o cabelo. Hoje em dia, essa curvatura está sendo feita de forma reta (ou levemente inclinada para fora do rosto) - de repente, parece que a turma toda está com um rosto no estilo do Franjinha. O desenhista está fazendo o que é mais fácil pra ele e deixando toda a turma com o rosto no padrão do Franjinha. É um estilo, né?... Talvez seja a carcterização do padrão atual.



Aos que gostam da simplicidade divertida da turma da Mônica (como eu), recomendo esta edição que, em meio às suas diversas caracterizações artísticas, torna-se uma referência rica do que a MSP já produziu. Este já é considerado por mim - digo isto com a maior convicção - como o melhor almanaque do Cascão que tenho aqui... da Editora Panini (é claro!).

Almanaque do Cascão 36 contém 84 páginas e custa R$ 4,90.



Abraços a todos.

Fabiano Caldeira.

4 comentários:

Kleiton Gonçalves disse...

Há. Gostei desse "CASCÃO, O IMPERMÉAVEL" até mesmo pelo título! Vi esse almanaque, mas não comprei. Já estou com um fila de livros e gibis para leitura! Darei um tempo!

Fabiano Caldeira disse...

Nessa história, o Cascão fica liso que nem sabonete!! rsrsrs...

Uma pena que não tem esse almanaque. Nos dias de hoje, tenho poucos almanaques da MSP. Normalmente, eu os considero de bons a razoáveis.

Esse almanaque do Cascão está realmente excelente!!!

Daqui há uns dois ou três dias, mais uma postagem como esta a respeito de um outro personagem que faz muito sucesso e que é cheio de "defeitos"... desta vez, será da disney.

Abraços. Fabiano Caldeira.



Kleiton Gonçalves disse...

Fabiano,,

"Normalmente, eu os considero de bons a razoáveis."

Eu sempre prefiro os almanaques às publicações mensais. Muitas vezes, as mensais da Turma atual deixam a desejar. Mas os almanaques dificilmente nos deixam na mão!

Abç!

Fabiano Caldeira disse...

Blz, kleiton!

Que bom que curte bastante os almanaques. A maioria dos que vi são bons, não considero excelentes por alguns fatores, mas garantem diversão.

O fato é que eu nunca sei se vou gostar de um almanaque até que o leia, pois o mix é tão variado em tantas páginas que fica difícil fazer uma dedução só olhando rapidamente na banca.

Já as mensais, sei mais ou menos o que esperar delas, então, para mim fica bem mais fácil adquirir e apreciar. Se bem que, falando na lata mesmo, cara... das mensais que tenho aqui, a maioria que vejo que vale a pena ficar são as do Chico Bento. Cascão só não fica páreo porque ainda tenho pouquíssimas dele, mas tenho gostado das que estão aqui.

Mônica e Cebolinha são as que mais tenho atualmente, mas que decepção... muita coisa legal, mas são poucas - bem poucas - que se sobressaem. Justo o Cebolinha que era meu personagem preferido...

Quanto ao Bidu, coitado... é melhor eu nem falar nada... ele já teve fases bem mais envolventes.

Espero que suas compras não se reduzam tão drasticamente assim. Afinal, o formatinho é baratinho e cabe em qualquer lugar. Força aí, amigão! (sinto-me um gordo incentivando o outro a continuar na dieta..ah, ah, ah!)

Abraços. Fabiano Caldeira.